O uso da tecnologia na área jurídica

Na década de 1930, uma sentença foi declarada nula por um tribunal de justiça por ter sido datilografada, ao invés de redigida com a própria caligrafia do magistrado. Algum tempo depois, as máquinas de datilografar dominaram as repartições públicas e os ambientes privados. Já nos anos de 1990, outra “máquina” começou a ganhar campo: o computador.

Atualmente, os computadores estão espalhados por todos os espaços profissionais da área jurídica. É difícil encontrar um escritório ou uma secretaria que não tenha vários deles. No entanto, o uso dessas ferramentas vai pouco além do que se exigiria de uma máquina de datilografar. Capazes de realizar operações super complexas, os poderosos chips e processadores geralmente são aproveitados apenas para elaborar e editar textos.

A tecnologia transformou diversas profissões e não é loucura afirmar que essas mudanças continuarão a acontecer nos próximos anos, mas em um ritmo muito mais intenso. Na área jurídica, o potencial dos computadores será mais explorado para permitir que os juristas possam se concentrar em serviços de maior importância para a sociedade.

A JurisIntel pretende desenvolver algumas das tecnologias que transformarão a atividade jurídica no século XXI.